Largo João Amorim de Albuquerque, 72, Porto Alegre - RS, 90010-250, Brasil - (51) 3224-8872 (51) 9859-55690

Blog

21 jan

Como era o Carnaval em Porto Alegre !!!

 A história do carnaval de Porto Alegre tem inicio na década de 30.

Origens

Segundo o livro “Fragmentos Históricos do Carnaval de Porto Alegre”, o carnaval de Porto Alegre surgiu nos bairros pobres como o ”Areal da Baronesa” e ”Colônia Africana”.  O primeiro assim chamado por ser na beira do rio (uma praia, posteriormente aterrada e onde hoje é a Praça Conego Marcelino) e que tem esse nome por antigamente pertencer a Baronesa (esposa do Barão de Gravataí), e o segundo pelo numero de negros que ali fixou residência. Foram o local onde os escravos libertos passaram a morar após a abolição da escravatura.

O Areal era um reduto totalmente carnavalesco, a partir dos anos 30 já existem noticias em jornais de grupos com nomes de ”Ases do Samba”, ”Nós os Comandos”, ”Seresteiros do Luar”, ”Nós os Democratas”, ”Viemos de Madureira”, ”Tô com a vela”, ”Os Caetés” e mais recentemente, os ”Imperadores do Samba”, todos tiveram origem no Areal. Foi onde surgiu o Rei Negro (Seu Lelé),  primeiro Rei Momo Negro da cidade, e os primeiros coretos populares de bairro.

O outro bairro de negras origens da cidade, a chamada “Colônia Africana”, aos poucos foi perdendo sua negritude pela exploração imobiliária, e hoje tem nomes pomposos como bairro Rio Branco, Mont´Serrat e adjacências. Esse era também o local onde negros libertos foram morar. Da Colônia surgiram grupos como o ”Aí Vem a Marinha”, ”Prediletos”, ”Embaixadores”, ”Namorados da Lua” etc… A Colônia Africana era o bairro do famoso Salão Modelo, na esquina entre as ruas Casemiro de Abreu e Esperança.

O Carnaval em Porto Alegre é originário do Entrudo, que passou por épocas de liberação e proibição. Por volta do ano de 1870, o Entrudo cai em desuso pelo surgimento das Sociedades (Esmeralda e Venezianos) que mudam e dominam o carnaval até mais ou menos 1900. O Entrudo consistia em jogar limão-de-cheiro (uma bola de cera do tamanho de um limão, cheia de agua perfumada), uns nos outros. É claro que a coisa descambava, e havia casos em que se atiravam ovos e para completar, farinha nas “vitimas”. Daí vê-se o por que de suas várias proibições. Porto_Alegre_Rua_da_Praia(Andradas)_Carnaval_1921

Os comentários estão desativados.